jusbrasil.com.br
28 de Julho de 2021

Caminho pedregoso de uma Advogada

Milena Carolina Pereira, Advogado
ano passado

Estou aqui, nesse fim de tarde chuvoso, absorta no meu quarto, refletindo sobre as maneiras de alavancar minha carreira e prospectar mais clientes.

Formada e aprovada na OAB há 4 anos, ainda não posso afirmar a vocês que vivo integralmente dos rendimentos de Advogada e nem que consegui alcançar a tão sonhada liberdade financeira. Ainda não consegui fazer o dinheiro trabalhar pra mim. Não ainda... continuo trabalhando para o dinheiro.

O caminho para o progresso nessa profissão é, praticamente, um plano inclinado, morro mesmo, daqueles tão inclinados que quase são perpendiculares à superfície.

Então, a subida não é nada fácil. Muito pelo contrário, é repleta de percalços e extrema dificuldade, afinal, a oferta é gigantesca e muitos profissionais da área acabam desistindo de trilhar a estrada de pedregulhos e cortam caminho, praticando valores indecentes, completamente distantes do mínimo exigido pela Ordem dos Advogados.

E detalhe, subimos esse morro naquelas bicicletas de antigamente, sabe? Aquelas que contamos apenas com as marchas e nossas pernocas não tão habilidosas em ladeiras, ou seja, é preciso fazer um tremendo esforço “físico” para pedalar minha bike rumo à tão sonhada descida, que nesse caso representa o ponto auge, o outro lado da vista, e que vista!

Ah, e como sonho com a descida desse morro! Consigo, nesse momento, contemplar minha visão lá de cima e então começo minha tão sonhada e esperada descida do morro íngreme, uauuu! De braços abertos, pedais que pedalam sozinhos com o impulso da descida, sem fazer esforço algum, só curtinho a brisa que toca minha face, e nos meus ouvidos, o som suave de We Are The Champions, Queen...

Nossa, que sensação incrível!! Magnífico!! Fechem os olhos, sintam!

Sabemos que até experimentar essa sensação indescritível, que eu até tentei aqui desenvolver, é preciso trabalho duro durante um extenso período de tempo e muita disciplina. Mas não é só.

De repente nos tornamos advogados, especializados, investimos dinheiro em nós mesmos e ainda assim, nos deparamos girando em um mundo sozinhos, reféns de um judiciário inoperante e corporativista e em muitas situações experimentamos o completo desserviço de um sistema dificultoso.

A disciplina, em nada, divertida, torna-se peça chave para nossa construção. Além dela, nessa profissão, a tolerância.

O legado, de fato, não é um caminho fácil. Boa parte da viagem, como dito, é morro acima. Porém quando chegarmos ao topo e descermos, tudo terá feito sentido.

E no meu caso, sabe o que é mais extraordinário? Descobrir quem está aproveitando essa aventura comigo: Jesus.

Que sentimento estupendo constatar que meu grande sócio não desistiu da nossa sociedade e caminha comigo nessa peripécia morro acima.

Assim, despeço -me, afirmando piamente que o que move meu coração é a certeza de que o trecho de descida do morro valerá cada suor que foi derramado para subir.

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)